sábado, 25 de fevereiro de 2017

UM NOVO AMOR


Desde sempre somos ensinados a pensar que existe apenas um amor, que existe apenas um alguém capaz de nos tirar de órbita, capaz de fazer o tempo parar, capaz de fazer com que esqueçamos onde estamos... Mas vem cá, deixa eu te contar um segredo, isso não é verdade.
Você conheceu o cara quando tinha 15 anos, foi amor a primeira vista, vocês namoraram 6 meses, foi perfeito e maravilhoso, e aí acabou, você sofreu, doeu, e até achou que não fosse mais capaz de respirar, passou dias chorando deitada em sua cama, abraçada em seu travesseiro, e então repetiu para si mesma: "nunca mais vou amar assim" e tem razão, não irá mesmo, mas de repente, os ventos mudam, e você encontra outro alguém, mais calmo, mais tranquilo, mais aconchegante...
Digamos que fiquem juntos por 10 anos, vivem tudo o que sempre sonhou em viver com um outro alguém, está certa de que ele é a razão da sua existência, e que sem ele é incapaz de viver, mas ai acaba... A dor, a perda, o martírio, vem tudo de novo, e você mais uma vez pensa que não vai aguentar.
Isso tudo é muito comum, e mais frequente do que se imagina, pode ser que em seus 30 anos tenha tido 5 namorados, pode ser que dos 5, 4 você jurou amor eterno, e que não entendeu nada quando acabou, eu sei, é difícil entender, porque somos programados para acreditar que o amor não acaba, que é um sentimento, e que sortudo é aquele que encontra este amor, único especial e eterno.


Mas nem sempre é eterno.


Sabe, não é porque você está sofrendo agora, e acha que perdeu o grande amor de sua vida, que você será infeliz para sempre, e nunca mais encontrará alguém que valha a pena, alguém que te hipnotize com um sorriso meio torto, ou te ganhe no primeiro olhar, muito pelo contrário, se tem uma coisa que aprendi é que existe vários amores a serem vividos, nos esperando no decorrer de nossa jornada maravilhosa que se chama VIDA, e cada um a sua maneira, cada um de um jeito novo, cada um diferente do outro.
Certa vez eu amei um rapaz, ele era maravilhoso, (aos meus olhos), charmoso, alto, malhado, ligeiramente atrevido, um tanto rude e grosso, mas ele me causava calafrios quando me olhava, ele me incendiava quando baixava a cabeça, eu amei ele... E como amei! Foi um amor louco, ninguém era capaz de me entender, de nos entender, mas não era preciso, a gente se entendia... Mesmo quando brigávamos um com o outro, dávamos um jeito de nos importar, de estar presente. Ele era ventania, tempestade, era correnteza, aventura... Ele foi meu amor de estação. Algumas estações na verdade. Durou mais primaveras do que deveria, e quando acabou, eu falei "nunca mais vou encontrar alguém que me deixe assim." E é verdade, porque as pessoas são diferentes umas das outras, e essa é a beleza da vida, a beleza escondida que ninguém vê, esta é a beleza oculta.
Demorou 2 anos para eu entender isso, e na verdade eu só entendi depois que conheci um outro rapaz, porque na verdade, eu era o tipo de pessoa que acreditava que se você encontrou o amor uma vez, nunca mais terá a chance de encontrar novamente, mas se não existe essa possibilidade, então  como foi que eu amei um outro alguém?
Quando eu o conheci, eu estava machucada, magoada, ferida de todas as maneiras humanamente possíveis, meu emocional estava instável, meu coração sangrava, e eu não digo no sentido literal da palavra, em uma escala de 0 a 10 meu nível de tristeza era 11. E então o conheci, na verdade já o conhecia, mas não imaginava que um dia eu viria a amá-lo.
Ele me fez rir em momentos que eu queria chorar, ele cuidou para que eu não fizesse besteira, ele me abraçou fraternalmente quando eu precisei, ele me levou para beber quando achei que tudo estava perdido, ele me beijou quando eu achei que não era mais desejada, ele mudou meu pensar, mudou meu agir, mudou até meu vestir. ele me mudou, e eu nem percebi, ele me fez enxergar um mundo mais colorido, ele me defendeu, e me fez amá-lo de uma forma que eu não sabia que existia, era algo tão normal, que eu mal podia acreditar,
Amar alguém tão diferente de mim me fez enxergar coisas que sozinha eu jamais veria, e foi bom, na verdade foi maravilhoso viver algo tão intenso e tão frágil quanto o que estávamos vivendo, foi maravilhoso compartilhar momentos tão meus com ele, e mesmo que tenha acabado, eu não tenho arrependimentos, pois mesmo quando eu senti medo, mesmo quando achei que deveria dar um basta e acabar com algo que eu sabia que no final me machucariam eu não o fiz, eu arrisquei, eu joguei eu vivi, e hoje sei que estou muito mais preparada, e mais forte, e com certeza mais madura para encontrar um novo amor...
Sim, eu tenho essa convicção, de que existem outros amores, outros beijos, outros abraços, sei que existirão outras oportunidades de me apaixonar, e eu não pretendo desperdiça-las, porque se tem algo bom nessa vida, é se apaixonar,é não ter medo de viver
Não se prenda por medo de viver, acredite nisso, acredite que vale a pena e que você pode sim ser feliz novamente, não é porque um amor acabou, que não possa existir um outro que te faça muito mais feliz, que te mostre outros modos de  viver e ver a vida, que queira estar com você, talvez viajar o mundo, talvez curtir um domingo apenas assistindo a algum filme antigo, talvez bebendo todas em um barzinho, talvez te pagando um jantar, não importa, serão estes momentos que te farão ver, que vale a pena sim amar.
Deixe que um novo amor entre e te mostre que existe muita beleza ainda para ser vista, existem muitos outros lugares para serem visitados, existem muitos outros sorrisos e momentos a serem compartilhados, não deixe de viver, uma hora você encontrará alguém que ficará tempo o suficiente para te mostrar que não é necessário uma vida inteira juntos para serem felizes, mas que desejará passar cada momento com você, compartilhando, retribuindo, provando, que o amor, talvez, não seja apenas um sentimento, e sim,  uma troca, que te mostre que isso pode dar certo
E se não der, ao menos você viveu.

Andressa Barros 25/02

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

22 DE OUTUBRO DE 2016


Foi tão de repente eu ter me apaixonado que não consegui me lembrar do momento exato em que tudo aconteceu, mas hoje, em uma conversa que eu sei, deveria ter evitado, me lembrei de quando te amei...
Você vai se lembrar também, foi um momento estúpido, bobo, mas para mim, significou muito, aliás, naquele momento significou tudo, foi ali que eu decidi se iria ou não seguir meu coração, e eu segui, o que me  leva a te dizer que você fez exatamente o oposto do que eu imaginava, mas não me decepcionou, me surpreendeu.
Vou refrescar sua memória...
Vamos viajar um pouquinho no passado? Não em um passado distante, mas apenas a alguns meses, 22 de outubro para ser exata.
Era um lindo sábado, e como sempre, estávamos trabalhando, você, lindo, imparcial, confiante, mandão, sério, irresistível...
Eu? Uma reles mortal, nervosa, ansiosa, apreensiva, com milhares de borboletas na barriga, todas elas fazendo confusão dentro de mim, sorridente, sonhadora, ansiando pelo fim do expediente. Você se lembra o motivo?
Acho que ainda não, se bem te conheço, memória boa não é o seu forte.
Dia 22 de outubro, foi o dia marcado por nossos amigos para um encontro casual, encontro não, seria mais um "happy hour" mas que uma amiga nossa em comum tinha uma ideia diferente em sua mente, para ela seria o dia em que nos apaixonaríamos perdidamente.
Agora acho que você se lembrou... Sim, 22 de outubro, dia do nosso primeiro beijo, mas vem cá, deixa eu te contar um segredo, que eu já estava apaixonada por você não era novidade, e que eu poderia amar você naquele dia, depois de provar o gosto dos teus lábios, também não era novidade, a novidade, meu bem, vem agora.
Eu te amei antes do beijo, eu te amei no momento em que você se despiu de todo seu orgulho, de toda sua vaidade, de todo seu sarcasmo, de toda sua ironia, eu te amei no momento em que você se esqueceu quem éramos, ali mesmo, dentro do nosso local de trabalho, eu te amei no momento em que você gentilmente tomou a frente dos meus problemas e me defendeu. Ali eu te amei.
Irônico é pensar que horas antes do nosso primeiro beijo, eu já amava você, não por me defender, mas por me mostrar seu verdadeiro "eu" por me deixar ver sua alma, por não se esconder mesmo estando rodeado de pessoas, eu te amei, porque ali, você não se esquivou, não tentou disfarçar,  não fingiu achar graça de uma piada estúpida, apenas para satisfazer aquelas pessoas que nos rodeavam, você não se importou de ser você, você se despiu sem vergonha alguma, e me mostrou seu lado mais lindo, naquele momento, meu bem, eu te amei....
Talvez esse amor não seja para uma vida inteira, pode até ser um amor de estação, amor de um ano ou dois, mas de uma coisa eu tenho certeza, eu te amei...

Andressa Barros
24/02
 

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

SEGUIR EM FRENTE



O que é seguir em frente? É repetir mil e uma vezes que eu já te esqueci? Porque acredite, eu repito isso toda manhã.
É olhar para você com cara de desdém? Olhar suas fotos e tentar não sentir o coração disparar? Porque tenho feito isso constantemente.
Será que o fato de evitar a todo custo te enviar uma msg gritando a saudade que está viva em meu peito ajudaria em algo? Porque eu não te enviei, porra! Eu não te mandei msg alguma. E ainda assim, parece que nada adianta.
O que é seguir em frente então? Porque quando eu penso ter seguido, eu volto 10 casas como se estivesse jogando “banco imobiliário”.
Eu juro que tenho olhado para outros caras, tenho tentado me apaixonar novamente, me apaixonar não, mas tenho tentado pelo menos me interessar, mas não dá, eles não são você!
E daí que o cara é lindo? Ele não tem essa barba irritantemente perfeita, e muito menos fica parecido com Tony Stark quando cisma de fazer algo diferente nela.  
E daí que ele estuda, faz mestrado, e tem os mesmos gostos que o meu? Ele não implica com a minha literatura preferida e nem diz que eu preciso de novos amigos para parar de ganhar livros de aniversário.
E daí que ele é todo grandão, alto e forte? Meu peito não se encaixa perfeitamente no dele, assim como se encaixa no seu.
E aquele cabelo? Eu não ligo para aquele corte idiota! Porque ele não fica passando a mão na franja de 5 em 5 segundos para arrumar, abaixar, ou sei lá, pra me enfeitiçar, que é exatamente o que você faz.
Eu não me importo que ele não fume nem um cigarro por dia, porque eu sei, sentirei falta de tentar convencer você a parar.
Eu não ligo para o perfume importado dele, se é o seu que me enlouquece, é o seu que me tira de órbita, é o seu que me entorpece.
Eu não sei como seguir em frente se você ainda se faz presente em tanta parte de mim, interna e externa, eu não sei como te dizer adeus, porque parece que se eu te disser adeus, estarei dizendo também a uma parte de mim, uma parte que foi tão feliz, e completa, uma parte que te amou no momento em que se deparou com um garoto assustado, e não com um idiota mandão.  Eu não quero te dizer adeus, não posso, mesmo precisando, eu não quero, porque eu te quero, eu quero a gente, eu quero nós. Eu não sei seguir em frente. E não finja surpresa, você sabe muito bem que o que eu quero é ficar em sua vida.

Me deixa ficar.

Eu quero seguir, só se for com você.



Andressa Barros 17/02

domingo, 12 de fevereiro de 2017

SORRIA, OU APENAS FINJA.




- Tudo bem? – Ele perguntou, finalmente uma pergunta que possa me libertar, uma pergunta que possa fazer com que eu me sinta melhor, ou apenas me ajude a falar, me ajude a arrancar do meu peito tudo o que eu havia guardado e que jurei a mim mesma não deixar mais sair. Finalmente, liberdade.

- Não tem nada bem! Eu estou desmoronando, estou morrendo aos poucos e cada dia mais, eu sei que pode soar egoísta da minha parte, e que meus problemas não são tão importantes, mas pode acreditar, eles doem. Eu não aguento esse drama familiar que estou vivendo, tanta hipocrisia, tanta mentira, tanta ganância e mesquinharia, as vezes eu só queria sair... Sair dessa realidade, fugir dessa minha vida.
Não vou nem mencionar o fracasso que é ter um pai como o meu, o que é conviver com a ausência, conviver com a solidão de ter alguém que deveria me amar e cuidar de mim e me querer em sua vida, mas que optou pela parte mais fácil, optou por não se importar. Ele não se importa, as vezes essa informação dói, mas dizem que nada é para sempre, estou aguardando ansiosamente para que esse “sempre” chegue e traga o alívio dessa dor.
E tem essa coisa que não me deixa em paz, essa coisa na boca do meu estômago toda vez que eu vejo ele, tem essa coisa com a qual ainda não aprendi a lidar, essa coisa que para mim ainda não tem nome definido, não sei se é ódio, ou amor, ou desejo, ou afeto, ou carinho...
Eu não sei, eu queria muito saber, os médicos dizem que para tratar a doença é preciso um diagnóstico, é necessário saber o que o paciente tem, então seria mais fácil se eu descobrisse o que eu sinto por ele, assim talvez eu conseguisse tratar, o que não dá é lembrar dele toda vez que eu ouvir aquelas músicas idiotas, ou sentir tanta saudade quando ele estiver longe, ou desejar cada toque dele nas madrugadas frias, ou fechar os olhos e mentalizar aquele sorriso amarelo que abre duas covinhas lindas me fazendo sorrir de volta, não tem mais graça!
Não tem graça ouvir o som daquela voz e deixar com que isso abale completamente meu psicológico, não é legal olhar naqueles olhos e me perder na escuridão deles, eu não quero mais isso, eu não quero sonhar com algo que eu não possa ter, eu não quero idealizar algo que não tenha como acontecer, eu preciso encontrar alguma forma de fazer isso parar, preciso de algo que me ajude a acabar com isso, para sempre, não posso mais conviver com isso, não tenho mais como mentir, não tenho mais como fingir que estou bem, que estou feliz, que está tudo ótimo, porque não está, eu não estou bem, não estou ... E cansei de mentir.
Cansei dessa coisa de “tomar cuidado com as palavras” para que não me entendam mal, sabe, cansei de me sentir assim, usada, impotente, como se não tivesse uma saída, porque sinceramente, as vezes eu olho e não a encontro, isso me assusta.
Estou imersa em uma profunda escuridão, estou perdida, estou morrendo, e só queria que tivesse alguém para me ajudar, para me salvar, para me encontrar... mas como 
sempre, estou sozinha. Não há ninguém aqui, nunca houve. Estou sozinha.

- Sim, estou bem. – Respondi. – Ele não entenderia todas as razão pelas quais não estou.


Andressa Barros 12/02

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

MEU PEDAÇO DE PUDIM



Sabe quando você conhece alguém e mesmo não podendo, mesmo sabendo que nunca daria certo, mesmo sendo contrário a tudo que você sempre acreditou, você ainda assim pensa em como poderia ser bom ter alguém “Como ele” ao seu lado.
Alguém tão... Mal humorado, mas ao mesmo tempo que faça as pessoas sorrirem, alguém tão grosso, mas ao mesmo tempo amável, alguém que finge não se importar com nada, nem ninguém, mas que falha, demonstrando claramente o quanto se importa.
Você sem querer se pega imaginando como seria o beijo, o abraço, imagina como seria o toque das mãos na sua, ou simplesmente, como seria o som daquela risada que de longe parece ser perfeito.
Você se imagina acariciando o cabelo, e a barba, ou apenas imagina como seria bom abraça-lo e afastar tanto medo, tanta dor, tanto peso de seus ombros, como seria bom poder ajuda-lo, e ser ajudada também, como seria bom poder cuidar dele.  
E um dia, por ironia do destino, você acaba descobrindo. O beijo mais quente do que você imaginou, o abraço mais aconchegante, o som de sua risada, soa como música em seus ouvidos, o toque das mãos são macios e carinhosos, você descobre, e acaba sentindo demais.
Você descobre que seu cabelo é macio, e que por mais que ele tente esconder, sempre há um ou dois fios de cabelos brancos perdidos por ali, você descobre que pela manhã sempre deixa algumas linhas presas em sua barba provavelmente da toalha, você descobre que ele assim como você também precisa de cuidado, mas que isso é algo que ele jamais irá aceitar, jamais cederá. (Eu te cuidaria em silêncio, eu te cuidaria em segredo, eu te cuidaria se você deixasse, eu te cuidaria...)
Você descobre que por trás de um ogro, existe um homem, você descobre que por trás de uma fachada completamente dura, existe um coração completamente mole, e você descobre que por este coração mole, acabou se apaixonando...
Os dias passam, e a paixão apenas cresce, você procura descobrir tudo sobre ele, sobre suas crenças, amores antigos, família, estudo, trabalho, você acaba virando expert nessa matéria, e a cada descoberta, se apaixona mais.
Claro que sua cabecinha vai alertar PERIGO! E você, deveria ouvir, pois realmente é um perigo se apaixonar por alguém tão diferente de você, pode doer, pode machucar, pode destruir seu coração, que é o que acontece na maioria das vezes, mas você insiste em cobiçar aquilo que não deveria, você insiste em desejar algo que nunca será seu.
Ou que poderá ser seu, mas não agora, não neste momento, não neste tempo, poderá ser seu, mas poderá demorar, e poderá também nunca acontecer...
E como entrar em uma padaria, e ver um delicioso pedaço de pudim, cheio daquela calda maravilhosa, é de dar agua na boca! Você vê aquele pudim e deseja muito ele, tudo o que você quer naquele momento é poder levar ele pra casa e comer sozinha, mas ai você lembra que está de dieta, e que isso vai acabar com a sua dieta, você lembra que vai aumentar seu peso, aumentar sua celulite, poderá te dar dor de barriga, sem falar que açúcar acaba com a pele, você lembra disso tudo na padaria, mas desiste do pudim? Não!
Você simplesmente ignora todos os fatos, leva-o para casa, e devora-o, mesmo sabendo do mal que ele poderá te causar, você devora-o, e ora a Deus para que Ele te livre das consequências, mas as consequências virão, elas sempre vem!
Você é o meu pedaço de pudim, e minha vontade de você apenas aumenta a cada dia.




Andressa Barros 
31-01-2016

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

HOJE, SOMENTE HOJE!





Hoje meu coração está sangrando, e está assim porque cada célula do meu corpo, deseja sentir o calor do seu.
Está sangrando, porque a cada dia se torna mais difícil te ver, e não querer estar perto de você.
Está sangrando, porque tudo o que eu queria, era estar dentro do teu abraço, enterrar minha cabeça em seu peito, e ouvir cada batida de seu coração.
Eu disse que ficaria longe, disse que ficaria afastada, mas não é este meu desejo, tudo o que eu quero, tudo o que eu desejo, é estar cada vez mais perto de você. Mas eu quero que você me queira por perto.
Meu coração está sangrando, porque eu já não sei mais o que fazer com essa vontade que eu tenho de você, vontade de te abraçar, segurar sua mão, tocar em seu peito, acariciar o seu rosto.
Meu coração está sangrando...
Está sangrando e batendo por você.

Sabe, eu até que tenho me saído bem, tenho disfarçado meu ciúme bobo, tenho desviado meu olhar do seu, tenho tirado de letra esse turbilhão de sentimentos que insiste em me atingir cada vez que eu sinto o teu perfume, cada vez que eu sinto o calor do teu corpo, cada vez que eu ouço sua voz, tenho me virado bem, mas hoje, especialmente hoje, e somente hoje, eu não vou disfarçar.
Eu não vou fingir que está tudo bem, não vou sorrir como se estivesse feliz, não vou fazer o possível para te agradar, porque não está tudo bem, porque você partiu meu coração, você zombou de mim e dos meus sentimentos, não me obrigue a dizer o quanto me magoou, porque você sabe, e hoje, por Deus, eu não vou mentir e dizer que meu coração está em paz. Porque ele não está. Hoje, ele sangra. E a culpa, meu amor, é toda sua.
Hoje, não me peça para ter calma, não me diga que não fez por mal, não me diga que não foi sua culpa, hoje, vou esquecer essa bosta de hierarquia e apenas o verei como um ser humano, um ser humano filho da puta que mentiu, um ser humano mal caráter que enganou, um ser humano que acreditei de todo meu coração que fosse diferente.
E hoje, somente hoje, eu também não irei disfarçar essa puta saudade que eu tenho de você, saudade de nós. Não somente saudade física, do seu abraço, dos seus beijos, da sua risada, das suas piadas... Mas meu coração está sangrando, e esbanjando uma puta saudade emocional, de quando você me ouvia, ou me aconselhava, de quando você dizia que eu era diferente, que eu era especial, sinto falta do seu sorriso, de você puxando a alça do meu sutiã, ou até mesmo reclamando do cheiro do meu creme.
Sinto falta de você me encher o saco, pegar no meu pé, me perturbar, tirar minha paz.
Eu sinto falta de você todos os dias, mas sempre com um enorme sorriso na boca, menos hoje, porque hoje, meu coração não apenas sangra, ele sofre de hemorragia.
Hoje, meu coração desistiu de viver.


Andressa Barros 06/12

domingo, 20 de novembro de 2016

OLHA PRA MIM





- Fica. – Ele me pediu.
- Porque? Me dá um motivo para ficar.
- Porque eu estou pedindo.
- Outro motivo. – Tudo o que eu queria era ouvir que ele queria minha companhia, que ele queria que eu ficasse porque gostava de mim, mas a única coisa que ele fez foi dizer mais uma vez...
- Porque eu estou pedindo. – Não era isso que eu queria ouvir.
- Eu gosto tanto de você. – Falei agarrada a ele, abraçando-o, querendo que aquele momento simplesmente se eternizasse, querendo ser capaz de fundi-lo junto a mim.
- Eu também, você nem imagina o quanto. – Ele sussurrou, e me fez acreditar, eu sei que gosta, sei mesmo, mas isso não é o suficiente... Eu quero mais.
- O problema não é você. O problema sou eu. – Ele insistiu, mas ele não é um problema, ao menos não para mim, será que é tão difícil se entregar? Porque não olha em meus olhos? Porque não diz isso olhando para mim? Porque não me dá uma chance de fazê-lo feliz?
- Eu não quero te magoar, não quero fazê-la sofrer, você não merece isso, merece coisa melhor, merece alguém melhor do que eu. – Deixa que eu decida quem é melhor para mim, deixa que eu decida se eu quero ou não arriscar sofrer no final, porque do jeito que está, você já me magoou, pelo simples fato de não me deixar participar da sua vida.
- “Isso” não tem como dar certo, “isso” está caminhando para te magoar, e eu não posso fazer isso com você. – Acredite, “ISSO” teria sim como dar certo, o problema é que você tem tanto medo que prefere me afastar a me deixar participar. Isso não é justo, com nenhum de nós.
- Eu vou ficar longe.  – Falei por fim, ainda abraçada a ele. – Eu vou ficar longe. Prometo. – Ele simplesmente roubou-me um beijo, roubou-me o fôlego, roubou-me a vida.
- Estou vendo. – Disse ele, enquanto beijava seu pescoço.
- É que é difícil, sabe?
- O quê? – Ele perguntou.
- Ficar longe de você. – Respondi.
- Você vai mesmo embora? – Ele perguntou, finalmente olhando-me nos olhos.
- Vou. – Respondi imparcial. – Vou, porque o que eu quero ter, eu não posso.
Nos encaramos por um longo tempo, despedi-me com um beijo, e parti, deixando ali meu coração, deixando ali aquilo que eu tinha de mais bonito nos meus dias, deixando ali a minha vontade de ser de alguém, deixando ali, nas mãos dele, todo o amor que pude cultivar.
Doeu.
Está doendo.  

Mas vai passar!

Andressa Barros 20/11